Petróleo: panorama da semana de 4 a 8 de setembro | Dados da Bolsa

Petróleo: panorama da semana de 4 a 8 de setembro

Oil pumps are seen in Lagunillas, Ciudad Ojeda, in Lake Maracaibo in the state of Zulia, Venezuela, March 20, 2015. REUTERS/Isaac Urrutia

Investing.com – Preços do petróleo encerraram a sexta-feira em leve alta, mas ainda registraram perdas na semana uma vez que os mercados de energia continuavam a pesar o impacto que o Harvey terá na produção de petróleo bruto e demanda de refino na região do Golfo do México.

Contratos futuros de gasolina, entretanto, recuaram, mas registraram sua semana mais forte de ganhos desde o final de fevereiro, já que a produção das refinarias estava paralisada devido à tempestade.

O contrato com vencimento em outubro do petróleo bruto West Texas Intermediate dos EUA ganhava US$ 0,06, ou cerca de 0,1%, e era negociado a US$ 47,29 no encerramento do pregão na sexta-feira. Na quinta-feira, caiu para US$ 45,58, valor mais baixo desde 24 de julho, antes de se recuperar das perdas e encerrar a sessão em alta em torno de 2,8%.

O aumento dos preços do petróleo no final da semana não foi suficiente para compensar as perdas ocorridas no início da semana, já que os contratos futuros de petróleo bruto dos EUA tiveram sua quinta semana seguida de perdas, encerrando em queda de US$ 0,58 ou quase 1,2%.

Do outro lado do Atlântico, contratos de petróleo Brent com vencimento em novembro na Bolsa de Futuros ICE (ICE Futures Exchange) em Londres recuaram US$ 0,11, ou cerca de 0,2%, sendo negociados por US$ 52,75 o barril no final do pregão

A referência global encerrou a semana com ganhos de US$ 0,34, ou cerca de 0,6%, após ter tido aumento de 4,2% na quinta-feira.

Enquanto isso, a gasolina dos EUA atingiu o maior valor em dois anos acima de US$ 2 o galão na quinta-feira, mas recuou na sexta-feira. Os contratos futuros com vencimento em setembro encerraram em alta de US$ 0,255, ou 13,5%, com valor de US$ 2,139 o galão no último dia de negociação desses contratos, na quinta-feira.

A gasolina para outubro abriu com valor muito mais baixo na sexta-feira, a US$ 1,774 o galão. Encerrou o dia em queda de US$ 0,031, ou cerca de 1,8%, fechando a US$ 1,747.

Apesar da queda de sexta-feira, os preços da gasolina encerraram em alta em torno de 13,4% na semana.

Exatamente uma semana após o Harvey ter cruzado o Golfo do México até Port O’Connor, no Texas, quase um quarto da capacidade de refino dos EUA estava fora de operação, representando quase 4,4 milhões de barris por dia, pesando na demanda por petróleo bruto, principal insumo das refinarias.

Mais de 45% da capacidade de refino dos EUA está localizada ao longo da costa do Golfo do México, de acordo com a Administração de Informação de Energia do país.

O impacto devastador da tempestade na infraestrutura do petróleo no coração da indústria de energia dos EUA levou o governo a utilizar suas reservas estratégicas e liberar 1 milhão de barris de petróleo bruto para apoiar a atividade de refino, já que temores relativos à escassez de combustível permaneciam em primeiro plano.

A queda nos preços do petróleo bruto pesou na atividade de extração dos EUA nas últimas semanas, já que dados da Baker Hughes, empresa prestadora de serviços a campos petrolíferos, mostrou que o número de sondas ativas de extração de petróleo permaneceu estável em 759 na semana passada.

A contagem semanal de sondas é um barômetro importante para a indústria de extração de petróleo e serve como uma referência para a produção de petróleo e a demanda de serviços de petróleo.

Preços do petróleo estão sob pressão nas últimas semanas devido a preocupações com a crescente produção de shale oil nos EUA, que pode neutralizar os cortes na produção de membros da OPEP e países externos à organização.

A OPEP e outros 10 produtores externos ao cartel, incluindo a Rússia, chegaram a um acordo desde o início do ano para cortar 1,8 milhão de barris por dia da oferta até março de 2018 para reduzir a sobreoferta global e reequilibrar o mercado.

Até o momento, esse acordo teve pouco impacto nos níveis dos estoques globais devido ao aumento da oferta de produtores que não participam do acordo, como a Líbia e a Nigéria, e ao aumento incessante na produção de shale oil nos EUA.

Além disso, o contrato com vencimento em outubro de óleo de aquecimento teve aumento de cerca de US$ 0,005, ou 0,3%, para US$ 1,746 o galão, encerrando a semana em alta de 7,7%.

Contratos futuros de gás natural com vencimento em outubro avançaram US$ 0,03, ou 1%, para US$ 3,070 por milhão de unidades térmicas britânicas. Tiveram, na semana, um aumento de cerca de 6,2%.

Na semana a seguir, participantes do mercado prestarão atenção nas mais recentes informações semanais sobre os estoques norte-americanos de petróleo bruto e produtos refinados na quarta e na quinta-feira para avaliar o impacto que Harvey teve na oferta e na demanda.

Os relatórios serão divulgados um dia após o normal devido ao feriado do Dia da Trabalho nos EUA nesta segunda-feira.

Antes da semana que está por vir, a Investing.com compilou uma lista com estes e outros eventos significativos que podem afetar os mercados.

Segunda-feira, 4 de setembro

Os mercados nos EUA permanecerão fechados nesta segunda-feira devido ao feriado do Dia do Trabalho.

Quarta-feira, 6 de setembro

O Instituto Americano de Petróleo, grupo do setor petrolífero, deve publicar seu relatório semanal sobre a oferta de petróleo nos EUA.

Quinta-feira, 7 de setembro

A Administração de Informações de Energia dos EUA deve divulgar seus dados semanais sobre estoques de petróleo e de gasolina

Um relatório semanal sobre oferta de gás natural em estoque também está na agenda.

Sexta-feira, 8 de setembro

A Baker Hughes divulgará seus dados semanais sobre a contagem de sondas de petróleo nos EUA.

Be the first to comment on "Petróleo: panorama da semana de 4 a 8 de setembro"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*