Futuros do Ibovespa iniciam a sessão desta quarta-feira com valorização

Logo da BM&FBovespa exibido em telões dentro da bolsa de São Paulo. 07/10/2013 REUTERS/Nacho Doce

Investing.com – Após encerrar a sessão da terça-feira com perdas, o índice futuro do Ibovespa abre a quarta-feira com ganhos 0,74% aos 95.688 pontos, seguindo a tendência de recuperação mostrada pelos futuros das bolsas americanas.

O mercado mantém as esperanças de mais medidas de estímulo para sustentar o crescimento econômico chinês sendo compensadas pelas preocupações com a disputa comercial entre os Estados Unidos e a China. O país asiático vai aumentar os gastos fiscais este ano para sustentar a economia, concentrando-se em cortes adicionais de impostos e taxas para pequenas empresas, disseram autoridades do Ministério das Finanças nesta quarta-feira.

A crescente pressão sobre a segunda maior economia do mundo afetou o crescimento no ano passado, que registrou seu nível mais baixo desde 1990, mesmo quando Pequim intensificou as medidas de estímulo e incentivou os bancos a realizar mais empréstimos. Ontem, o conselheiro econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, negou as notícias de que uma reunião preliminar de comércio entre autoridades dos EUA e da China foi cancelada, dizendo que a história não é verdadeira.

Os investidores locais também aguardam alguma sinalização mais firme sobre a reforma da Previdência ou outras medidas econômicas vindas de Davos, onde o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, participam de reuniões com empresários e líderes internacionais.

Bolsonaro disse que os militares entrarão numa segunda etapa da reforma da Previdência, sem, contudo, detalhar a estratégia. A fala enfraquece a área econômica, que busca incluir os militares, fonte de grande desequilíbrio nas contas. O presidente também informou que espera que o Congresso realize ‘pequenas mudanças’ no texto que tramita na Câmara e que apresentará uma reforma mais robusta. Mais cedo, Guedes indicou interesse em cortar a carga tributária de empresas de 34% para 15%.

Nos indicadores, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) foi de 0,30% em janeiro e ficou 0,46 ponto percentual (p.p.) acima da taxa registrada em dezembro (-0,16%). Este é o menor resultado para janeiro desde a implantação do Plano Real, em 1994. Já o acumulado nos últimos doze meses ficou em 3,77%, abaixo dos 3,86% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em janeiro de 2018, a taxa foi de 0,39%.

O grupo Alimentação e bebidas teve a maior variação (0,87%) e o maior impacto (0,22 p.p.) no índice. Já os grupos Transportes (-0,47%) e Vestuário (-0,16%) tiveram deflação de dezembro para janeiro. Os demais grupos variaram entre o 0,06% de Comunicação e o 0,68% de Saúde e cuidados pessoais, conforme mostra a tabela a seguir.

A prévia do Índice de Confiança da Indústria (ICI) do Brasil iniciou o ano indicando o maior nível em cinco meses em janeiro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira. A prévia do ICI apontou alta de 2 pontos em janeiro sobre dezembro, para 97,6 pontos no mês, o maior valor desde agosto de 2018. Para janeiro, a prévia do Índice da Situação Atual (ISA) mostra aumento de 0,4 ponto, indo a 96,4 pontos. O Índice de Expectativas (IE) deve ir a 98,9 pontos, após alta de 3,7 pontos.

Bolsas Internacionais

Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,14 por cento, a 20.593 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,01 por cento, a 27.008 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,05 por cento, a 2.581 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,07 por cento, a 3.141 pontos.

Na Europa, os principais índices acionários operam sem a definição de um rumo definido. Enquanto em Frankfurt o DAX cai 0,17%, aos 11.026 pontos e, em Londres, o FTSE recua 0,30% aos 6.881 pontos, em Paris, o CAC tem alta de 0,15% aos 4.854 pontos.

Commodities

Na cidade chinesa da Dalian, a sessão desta quarta-feira foi marcada por uma nova desvalorização nos contratos futuros do minério de ferro. O ativo com maior volume de negócios, e com data de vencimento no mês de maio deste ano, encerrou com perdas de 0,94% a 527,00 iuanes por tonelada, o que representa uma variação negativa de 5,00 iuanes.

A jornada também foi negativa para as transações futuras do vergalhão de aço, que acontecem na também chinesa bolsa de mercadorias de Xangai. O contrato de maior liquidez, também de maio, recuou 22 iuanes para um total de 3.644 iuanes por tonelada. Já o segundo mais negociado, de março, caiu 16 iaunes para 3.698 iuanes para cada tonelada do produto.

Após a queda expressiva na sessão da véspera, os preços do petróleo sinalizam uma recuperação. O barril do tipo WTI, referência de Nova York, soma 0,42%, ou US$ 0,22, a US$ 53,23. Já em Londres, o Brent tm ganhos de 0,49%, ou US$ 0,30, a US$ 61,80.

Mercado Corporativo

RECADO ÁRABE – A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informou nesta terça-feira que cinco unidades frigoríficas de carne de frango foram desabilitadas a exportar para a Arábia Saudita, maior importador do produto brasileiro, por razões técnicas.

A associação, que representa os principais produtores de carnes de aves e suína do Brasil, afirmou ainda que 25 unidades continuam autorizadas a exportar aos sauditas, de um total de 58 habilitadas pelo Ministério da Agricultura brasileiro. Do total de habilitadas, somente 30 embarcavam produtos efetivamente aos sauditas, disse a ABPA, ressaltando que o “impacto, portanto, é sobre cinco plantas frigoríficas”.

ELETROBRAS – O governo está convicto da necessidade de capitalizar a Eletrobras (SA:ELET3), mas o tema ainda não foi discutido com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, e não há definição sobre formato e valor da operação, que poderia levar à perda do controle da empresa pela União, disse à Reuters o presidente da estatal.

A gestão Michel Temer tentou levar adiante uma desestatização da companhia por meio de processo que envolveria a emissão de novas ações para diluir a fatia do governo na empresa, mas um projeto de lei com a proposta não avançou no Congresso Nacional em 2018 e as discussões foram retomadas apenas após a posse de Bolsonaro.

Mantido no cargo mesmo após a mudança de governo, o CEO da elétrica, Wilson Ferreira Jr., disse que começou agora a tratar do tema junto ao ministro de Minas e Energia, o almirante Bento Albuquerque.

PRIVATIZAÇÃO O Brasil incluirá a Rodovia Transamazônica na lista de concessões, disse o ministro da Infraestrutura nesta terça-feira, buscando investimentos para pavimentar a estrada, apontada como uma das responsáveis por desmatamento da floresta.

A BR-163, uma das principais rotas do Norte para embarque de grãos, também entrará na lista de prioridades do governo para concessões em uma reunião no mês que vem, disse o ministro da Infraestrutura, Tarcisio Freitas, em entrevista à Reuters.

O governo do presidente Jair Bolsonaro está buscando reformular a infraestrutura de transportes do Brasil, e assim reduzir custos atrasos na exportação de commodities, ao buscar investidores privados para operar dezenas de projetos rodoviários, ferroviários e aeroportuários.

RECORDE A carga de energia elétrica registrou novas máximas históricas nesta terça-feira no país, superando recorde anterior da semana passada, diante das altas temperaturas registradas no país, informou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) em nota.

Puxada pelo calor, que aumenta o uso de aparelhos de ar condicionado, a carga máxima no sistema interligado do país atingiu cerca de 87.500 megawatts nesta terça-feira, ante recorde anterior de 87.183 megawatts em 16 de janeiro.

No Sudeste/Centro-Oeste, foi registrado pico de carga de cerca de 52.700 megawatts, sendo que o recorde anterior era de 52.323 megawatts também no dia 16 de janeiro.

EÓLICA A desenvolvedora de projetos de energia eólica Casa dos Ventos está em busca de empresas interessadas em comprar tanto fatias na produção quanto participações acionárias em um complexo de usinas eólicas que a companhia construirá no Rio Grande do Norte, com uma capacidade de até 450 megawatts, disse à Reuters um executivo do grupo.

As tratativas, já em andamento, visam replicar um negócio anunciado recentemente junto à Vale (SA:VALE3), no qual a mineradora brasileira fechou com a Casa dos Ventos a aquisição por longo prazo da energia a ser gerada pelo parque eólico Folha Larga Sul, na Bahia, e ainda ficou com uma opção de compra futura até da totalidade do empreendimento.

“A gente trouxe essa solução primeiro com a Vale, na Bahia, e agora a gente pensa em replicar no Rio Grande do Norte com um novo projeto… mas nossa ideia é (no próximo projeto) a gente continuar também como operador, ser um sócio-operador, e continuar no longo prazo operando as usinas”, explicou o diretor de Novos Negócios da Casa dos Ventos, Lucas Araripe.

AÉREAS A demanda por assentos em voos domésticos no Brasil em dezembro subiu 3,98 por cento ante mesmo mês de 2017, afirmou nesta terça-feira a entidade que representa as empresas aéreas, Abear, no melhor desempenho para o período em quatro anos.

Já a oferta de assentos avançou 2,65 por cento, também na comparação anual. Como o ritmo foi inferior ao da demanda, o nível de ocupação dos voos chegou a 84,36 por cento, com alta de 1,07 ponto percentual ano a ano.

Agenda de Autoridades

O presidente Jair Bolsonaro, que segue em Davo, participa nesta quarta-feira de reuniões bilaterais com o Primeiro-Ministro da Itália, Giuseppe Conte, com o Presidente da Suiça, Ueli Maurer e com o Primeiro-Ministro do Japão, Shinzo Abe. Ele encerra o dia participando de um jantar com Chefes de Estado de países latino-americanos.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, também está em Davos, acompanhando o presidente Bolsonaro e realizando reuniões com empresários.

Fonte:https://br.investing.com/news/stock-market-news/futuros-do-ibovespa-iniciam-a-sessao-desta-quartafeira-com-valorizacao-629375

Be the first to comment on "Futuros do Ibovespa iniciam a sessão desta quarta-feira com valorização"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*